domingo, 23 de fevereiro de 2014

Ucrânia

Depois do que aconteceu na Líbia e no Egíto, a Síria parece que não está a ser tão fácil, tenho a certeza que o Ianukovich rapidamente percebeu o que lhe ia acontecer e, não fossem as coisas derrapar para uma coisa estilo Roménia, que envolveu cordas e ar entre os pés e o chão, desde cedo tinha a fuga preparada.

Ao contrário das duas revoluções Africanas, em que as redes sociais e a sociedade da informação tiveram claramente um forte impacto, pela desmistificação, como é que hei-de dizer, dos mitos, na Ucrânia, o sucesso da coisa parece-me que se deve a motivos ligeiramente diferentes...

... como por exemplo, ensinar as raposas, javalis, perdizes a utilizar espingardas contra os caçadores. 

É que uma coisa é dar porrada em meia dúzia de estudantes, habituados a falar muito e a fazer pouco ou nada, outra é enfrentar ex-militares, mineiros, trolhas técnicos de construção civil (já fui insultado por isto uma vez), ou "simplesmente" milícias da extrema direita, com capacetes, escudos, bastões e o que mais houver.

E sendo assim, o castro (raúl) é melhor que se apresse com aquilo do "um país dois sistemas" e o maduro também não fará mal em ter um plano b. Já o kim jong-un vai tendo a sorte, e o povo o azar, do país não ter nada que interesse a quem quer que seja, porque até para se ser um povo oprimido é preciso ter sorte.

Sem comentários: