sábado, 9 de março de 2013

Monstros debaixo da cama

O meu desporto favorito é nadar. Tenho a sorte de o poder fazer de manhã, ainda antes de pôr os pés na empresa e isto tudo era muito bonito, não fosse dar-se o caso de nadar numa piscina sem mais ninguém. Zero, nem uma alminha ou pelo menos uma alminha que não seja penada. É que desde puto que tenho um trauma com as grelhas de drenagem das piscinas. Nem tem a ver com a história dos miúdos que morreram no aquaparque. Não, o meu medo é que de lá saia um monstro!

Vai daí, estou eu descansadamente a nadar para a frente e para trás, enquanto penso no que vou ter de tratar durante o dia e, se num lampejo, de repente me lembro lá disso dos monstros, normalmente é difícil ignorar. A coisa começa com um "não sejas parvo, os monstros não existem!". Passa por ir olhando ocasionalmente na direção da grelha, até que começo a pensar que "um monstro claro que não existe, agora um bicho qualquer que tenha crescido nas canalizações?". O certo é que à terceira ou quarta piscina acelero e ponho-me dali para fora.

É muito melhor quando vou com a Outra Metade. Ela até nada mais depressa que eu, mas sempre distrai o bicho e fugimos cada um para seu lado. Muito mais hipóteses, é o que eu acho.

4 comentários:

S* disse...

Poça, pareces eu. Quando começo a pensar nessas coisas, tenho de olhar para trás e verificar.

Maria D Roque disse...

os meus monstros estão todos dentro do frigorífico e travo batalhas épicas com eles, que quase sempre levam a melhor

RCA disse...

E sim, eu sei que também não existem fantasmas, mas...

Maria, a solução é não abrir, assim eles também não saem :)

Pedro disse...

Deixa-te disso. Só pode saír uma sereia :)Ás vezes e desde que vi um filme há muitos anos que uma cobra subia pela sanita, estou muito tranquilo, sentadinho a ler o jornal e vem-me aquilo à cabeça, levanto-me logo e até perco a vontade.Uma cobra ou um rato.cada tolo com a sua mania e seus traumas.