terça-feira, 27 de novembro de 2012

Entrevistas telefónicas

Se estiver por aí o responsável pela empresa de estudos de mercado que me telefonou ontem, nunca mais o façam durante o horário de trabalho e muito menos à hora de jantar!

Telefonam-me por volta das três da tarde e eu, para não ser deselegante, lá digo "minha senhora, estou a entrar para uma reunião, agora não é oportuno". Infelizmente a minha senhora não desiste e pergunta a que horas será oportuno. Às oito menos dez toca o telemóvel e começa o relambório. De zero a dez não sei o quê, sim ou não isto ou aquilo, se recomendaria o não sei quantinhos e eu a responder pacientemente, incrédulo porque a minha senhora não está a topar que, à medida que o tempo passa, as respostas são cada vez mais aleatórias e completamente incoerentes. 

Aguentei vinte minutos de tortura até pôr fim àquilo. Para além de mim e de velhinhas solitárias, quem é que nos dias de hoje tem vinte minutos para estar ao telefone a responder a um estudo de mercado? É por estas e por outras que quando me telefonam para impingir qualquer coisa, se estou mesmo aborrecido retribuo a gentileza. Sou gajo para fazer tantas perguntas sobre o produto que, com jeito, durante o telefonema até podia vendê-lo ao vendedor. Termino com "mas então se é isso, é igual àquele que comprei na semana passada. Que maçada! Fica para a próxima".

13 comentários:

Anónimo disse...

e fazes perder tempo às pessoas? já pensaste que isso é o trabalho delas? é como aquela história dos tuperwares do teu patrão, que vêm de guimarães.who cares?!?

Sawabona Shikoba disse...

Xiii podes crer, é com cada seca!!! coitados eu bem sei que estão a fazer o que lhes compete, aquilo para que são pagos, mas... caramba!!!!!!
Mas o que me es+anta mesmo é que com esta crise AINDA andam a tentar impigir coisas as pessoas, coisas que sabem de antemão que não vao conseguir receber!!! olo

Anónimo disse...

Porra (desculpa a linguagem) 20 minutos??? E tu tiveste paciência? Eu se o metro se atrasa 2 minutos já fico possuída, muito mais se fosse um telefonema de 20 minutos. Eles que mandem por mail e a gente põe lá umas cruzinhas.

Jorge disse...

Há uns anos andava por aí um email sobre um telefonema da PT a vender um pacote XPTO, em que o cliente constantemente os punha à espera com música do quim barreiros e fazia de conta que transferia a chamada para departamentos. Era demais!
Eles costumam ser super insistentes, por isso é bem feita quando lhes fazem o mesmo.

Anónimo disse...

Pena que com a taxa de desprego e o nível de pobreza(envergonhada ou nem tanto)que grassa no nosso país não haja um pouco mais de solidariedade por quem é forçado a tentar ganhar a vida nestas funções.
Para além de que existe sempre uma pergunta que é colocada no inicio do contacto:"Tem disponibilidade para responder?".Eu quando não tenho digo que não.E por norma não me voltam a ligar.

Anónimo disse...

O anónimo das 17h30 tem uma certa razão mas caramba, quando digo que tenho disponibilidade penso que será no máximo 5 minutos, umas perguntas e umas avaliações de 0 a 5 e mais nada. Vinte minutos é realmente um exagero. Olha gente com filhos e tudo, onde é que vão arranjar tempo para responder àquilo?

Sílvia disse...

Eeeiiii, foste um bocado chungoso agora!!

Quando me perguntam se tenho disponibilidade, eu pergunto sempre de quanto tempo precisam... Por motivos obvios, e se for preciso mais do que o que tenho disponivel digo para ligar depois, caso esteja interessada, senão digo logo para não me voltarem a ligar, simples!!

Costumam-me ligar da maktest, com o meu consentimento, porque me custa saber que eles precisam manter os postos de trabalho, mas só respondo quando tenho tempo.

RCA disse...

Meus caros

Pelo respeito que me merecem:

1. eu disse para me ligarem às 19, ligaram às 19:50;
2. obviamente perguntei quanto tempo demorava e obviamente responderam 5 minutos;
3. o inquérito é obviamente estúpido. Ninguém pode esperar tomar tanto tempo a alguém. Coisa que tive o cuidado de informar.
4. aos 10 minutos quando disse que tinha de ir jantar perguntei se faltava muito. A tipa responde está mesmo a terminar.
5. aquilo é um emprego como outro qualquer. Suponho que é pior varrer ruas ou limpar casas de banho, mas cada um sabe de si.
6. assim como há bons profissionais de telemarketing, há péssimos.
7. se eu fico lixado quando sou mal atendido numa loja ou serviço, porque é que não posso ficar com um serviço prestado por telefone.
8. e mais importante. Eu não respondo a inquéritos de telemarketing porque tenho pena das pessoas que têm aquele emprego. Se não for eu a responder, há sempre alguém, nem que seja a velhinha solitária. Eu respondo a inquéritos de telemarketing porque é do meu interesse. Era em nome do meu banco e queriam aferir a qualidade de serviço. Obviamente que é má, atendendo aos inquéritos que fazem.

A gerência

Lux disse...

RCA, é impressão minha ou este país está, acima de tudo, a perder o sentido de humor???

Lux

Lux disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Sílvia disse...

Eh pá, acordaste de mau humor!!

1. Por mim não tinhas que explicar nada!
2. ...Hmmmm... Não, afinal não tenho mais nada a dizer, ficamos só com o 1!

Anónimo disse...

Lux, a pergunta não foi para mim mas sim, está!! Cruzes, que gente ofendidinha :|

RCA disse...

Lux, mas será que alguma vez teve?
Em boa verdade também pode acontecer que eu não seja grande palhaço. Enfim...