segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Número de divórcios caiu pela primeira vez desde 2005

In Público

Graças a Deus! Ora aí está finalmente uma boa notícia. Pelos vistos nem tudo é mau com a crise. O amor prevaleceu e as uniões tornaram-se mais fortes. Aguardo no entanto com expetativa as estatísticas de violência doméstica. É interessante que palavras como "estatística" esterilizam os assuntos e nos fazem sentir melhor. Do género, o que nós estamos aqui a analisar são dados científicos. Infelizmente, cada vez que os dados sobem uma unidade há alguém que não percebe porque tem de estar a viver aquela vida.

Em todo o caso, suponho que na perspetiva da igreja, a austeridade esteja para aqueles que se querem divorciar, como o HIV está para o sexo antes do casamento. Ou será para o sexo sem ser parar procriar? Com as tangas que eles inventam, já me perdi. Sei que se for depois do casamento, para procriar, mas com a mulher do vizinho é pecado, porque os tipos não eram burros nenhuns e para não se andarem a lixar uns aos outros previram lá aquela coisa do "não cobiçarás a mulher do próximo". Agora a sério! E se o sexo é dentro do casamento e até é para procriar, mas a coisa não há meio de se concretizar? É pecado na mesma, ou o que conta é a intenção? Assim tipo, é pecado utilizar o preservativo porque impede a vontade de Deus (pois, Deus é o todo criador e vai ser um preservativo que lhe vai lixar os planos), o que foi um azar do caraças para os milhões que de mortos por SIDA em África (fornicadores, tudo para o inferno já). Ele há coisas...

7 comentários:

CM disse...

Parece-me que é uma "boa" notícia imposta mesmo pela crise. O Amor não ganhou...o que acontece, é que sai mais caro "não amar". É mau negócio viver sozinho, mas mais feliz. É mau negócio não ter com quem partilhar a conta da TV Cabo e afins...

Quanto à Igreja e aos seus fundamentalismos, vou remeter-me ao silêncio sob pena de ser apedrejada.

Sílvia disse...

Falta da conhecimento da coisa pah!! O Papa Bento XVI "permitiu" o uso de preservativo, em determinadas situações, precisamente por causa do HIV, há já uns anos, andas desatualizado!!
Se fosses jornalista dizia-te para te informares antes de falares (escreveres neste caso), como não és (penso eu), olha que se lixe!!!!

Uma coisa é o uso de preservativo para evitar procriação, outra é para evitar doenças infecto-contagiosas, acredito que a igreja seja contra o seu uso por causa de evitar a procriação, o que faz sentido, visto ser o que a igreja defende. Mas não acredito que sejam contra, sabendo das doenças infecto-contagiosas, eles acabam por estar como o tolo em cima da ponte, porque não têm culpa que o pessoal agora foda a torto e a direito com tudo o que aparece à frente!!

Quanto aos divórcios, não ha dinheiro para pagá-los! Penso que agora está em 800 euros!
E o preço para casar subiu para o dobro, portanto deduzo que tambem passem a haver menos ainda!!

Sofia disse...

Há menos divórcios porque há menos casamentos. Se um divórcio é caro um casamento nem se fala. Mas ficar com alguém só porque o divórcio é caro ou porque se divide contas, nunca. Quanto à igreja e os preservativos ou sexo só para procriar já nem merece comentários. Ainda é das poucas coisas que é de graça e não se paga imposto e faz esquecer um pouco as desgraças da vida e queima calorias. O pecado é só "não cobiçarás a mulher do próximo" por isso meninas esse pecado não é nosso ;)

Maria D Roque disse...

Para que é que a igreja teria que autorizar o preservativo ? Não me parece que os padres usassem, por ser contra as leis de Deus...

RCA disse...

Sílvia, o Papa Bento XVI "permitiu", mas o anterior não e isso é um azar do caraças para os gue já os que já marcharam. E graças a essa brincadeira do Polaco, ainda devem estar muitos para morrer.

Incomoda-me um pouco a leitura revisionista da igreja, ao sabor dos tempos, que normalmente peca por responder com atraso e é do género "isso foi na gerência antiga".

Já agora, está na altura de rever o texto do pecado do adultério... onde se lê "a mulher do próximo", deve ler-se "a pessoa humana do próximo", que se é para umas coisas, também é para outras.

Sílvia disse...

Gado, não vás por aí... As pessoas não deixaram de usar o preservativo por causa da igreja, não te convenças disso!
Da mesma forma que não deixaram de fazer abortos.
A igreja tem algum poder em quem acredita nela e a segue, e repito algum, que nem aí é todo. Essas pessoas serão as que menos precisariam do preservativo por doenças infecto-contagiosas, salvo excepções, claro.

Não podes referir isso relativamente a África, eles têm uma grande diversidade de religiões, e embora também haja o Cristianismo, eles têm islâmicos, e depois todas as outras religiões indígenas.

Mas isso para mim é uma falsa questão, usam muito a igreja como bode espiatório para os males do mundo (a sida, a pedofilia), quando para mim isso não tem a ver com a igreja, mas com a mentalidade das pessoas. Em África há sida, porque não há educação à prevenção das doenças infecto-contagiosas, porque não há preservativos, eles nem dinheiro para comer têm, vão-lhes distribuir preservativos?!
Em Portugal há educação à prevenção, há distribuição de preservativos gratuita, a maioria das pessoas "caga" para o que a igreja diz, e mesmo assim há muitos casos de SIDA, possivelmente a grande maioria são de pessoas ateias.

África é um caso gravissimo, em relação a tudo, não se pode simplificar as coisas e dizer que a culpa é da igreja. Quando, a meu ver, a culpa é do resto do mundo (ocidental e capitalista), que não permite que os recursos sejam igualmente distribuidos.

Sílvia disse...

Eu estagiei num hospital de doentes infecto-contagiosos e acredita que a grande maioria dos doentes que conheci não ouve a igreja!! I rest my case!!

As pessoas pensam que é algo que só acontece aos outros e como não é uma coisa que se veja, não se preocupam, e é tão dificil mudar mentalidades. Antes fosse um mal apenas da igreja, que seria bem mais fácil de resolver.