quarta-feira, 14 de novembro de 2012

Greve Geral

Queria aqui deixar o meu agradecimento às centrais sindicais pelo seu contributo tão decisivo para a recuperação do país. Louvo em especial o seu brilhantismo, pela coerência estratégica, ao aplicarem sempre, infalivelmente sempre, a mesma forma de luta, que tão bons resultados deu no passado.

É que eu sou gestor de empresas há alguns anos e, certamente por estupidez, neste tempo todo nunca me tinha ocorrido que a melhor forma de fazer uma empresa crescer fosse pará-la. Mas, se para recuperar a economia de um país uma greve geral resulta, seguramente também deve resultar lá na empresa. Amanhã digo à malta para não aparecer a próxima semana toda. É que se é para crescer, é para ser em grande...

15 comentários:

Maria D Roque disse...

Plenamente de acordo. Já teci algumas cinsiderações a esse respeito...

Carolina Duarte disse...

O pior é que por norma estas greves afectam sempre quem mais precisa, os trabalhadores que se deslocam para os seus empregos e nem sabem bem para onde se virar. A bem dizer não sou contra, mas lamento que o meu dia se torne um caos, quando para os verdadeiros visados é só mais um dia.

http://alguemquemecale.blogspot.pt/

Sílvia disse...

Mas isto de fazer greves é só para quem pode, não é para quem quer!

E por quem pode entenda-se funcionários públicos, com o lugar garantido, a ganhar para cima de 1500 euros/mês, a fazer as 8 h diárias (os que fazem), nem mais um minuto, e que estão muito chateados por irem perder um dos subsidios, ou os dois, ou o raio! Coitaaaaadooos!!

Ricardo disse...

Comentários e post rídiculo (desculpa mas tinha que o dizer). Não sei a vossa idade, onde trabalham mas parece que vivem noutro planeta ou então têm umas condições de vida e de trabalho tão boas que têm que bajular os patrões e o governo para agradecer.Como já o disse noutro blog estudem sobre o que é uma greve, seus direitos, sobre sindicatos, enfim sobre política pois a vida não é tão côr de rosa para todas as pessoas como parece que é para vocês.

Timido disse...

Muito bem dito...
Concordo em absoluto...
Acho que a greve é um direito dos trabalhadores que se querem manifestar contra empresas com salários em atraso que querem retirar os meios de trabalho, para aqueles que não têm para pagar os salários, mas aparecem de mercedes topo de gama novinho no dia seguinte...
Agora fazer greve porque as coisas estão más? Utilizar a greve como desculpa para não ir trabalhar e ir passear para a baixa e fazer um piquenique?
Não posso concordar com esta visão da greve...

Ana 100 Sentidos disse...

Vou seguir a mesma estratégia!

Anónimo disse...

'E por quem pode entenda-se funcionários públicos, com o lugar garantido, a ganhar para cima de 1500 euros/mês, a fazer as 8 h diárias (os que fazem), nem mais um minuto, e que estão muito chateados por irem perder um dos subsidios, ou os dois, ou o raio! Coitaaaaadooos!!'

E cá está. A estupidez humana no seu melhor. Realmente... Eu até ousaria dizer que estes filhos da puta milionários não têm o direito a reclamar por irem perder os subsídios! Aliás... Deviam pagar a crise com os seus 1500 euros/mês! Enfim...

Maria D Roque disse...

Eu vivi o PREC, e trabalho a sério há 35 anos... não preciso ler coisas em blogs psra saber os meus direitos. Crescer é bom. Engrsndece e dignifica.

Maria Luís disse...

Realmente Sílvia, 1500 euros é um ordenado milionário(na China?) Estou esclarecida.

Sílvia disse...

O anónimo é um dos que ganha para cima de 1500 euros à conta dos palonços?! E acha pouco os 1500 euros não é? Pela ironia ("estes filhos da puta milionários") parece-me que sim.

Eu trabalho por bem menos que isso, muitas mais horas, sábados incluidos e nem falo dos impostos que tenho que pagar. Ah e pasme-se, não posso dar-me ao luxo de fazer greve, porque é um dia perdido, logo dinheiro perdido.
E quando há greves isso interfere com a minha vidinha.
As pessoas têm o direito de reclamar quando têm razões para tal, sendo que há outras formas de se manifestarem sem interferirem com a vida de quem quer e precisa trabalhar.

E mais uma coisinha, não se dê ao luxo de me voltar a insultar ("estupidez humana"), porque não me conhece de lado nenhum e não lhe dei ousadias para tal, nem o insultei a si. Antes de qualquer coisa, haja respeito.

Sílvia disse...

Relamente há pessoas que não têm noção do que a maioria das pessoas ganham. 1500 euros não é um salário milionário, mas sendo que a maioria das pessoas ganha pouco mais de 450 euros, 1500 euros para essas pessoas é um salário quase milionário. Vocês vivem num mundo à parte.

E eu disse para cima de 1500, tinha que estabelecer um limite, vejam lá que para estabelecer os 1500 como um bom salário o que eu não hei-de ganhar! Eu com 1500 euros limpinhos fazia uma vida de rainha pah, tenham vergonha na cara!!

Anónimo disse...

Sílvia, eu efectivamente não a conheço por isso não posso determinar se é ou não estúpida, mas o seu comentário e a sua tentativa de culpabilização dos trabalhadores que recebem acima de 1500 euros/mês é, com toda a franqueza, estúpida. Ora se eu estou insatisfeita com o meu horário laboral, com os meus rendimentos e com os meus descontos hei-de descarregar a minha frustração em quem tem uma vida mais folgada do que a minha? A culpa é deles porquê? Hei-de dizer às pessoas para terem 'vergonha na cara' (palavras suas) por sentirem necessidade de não pactuar com medidas que lhes tirarão a qualidade de vida a que estão habituados? Hão-de ser mártires e dizer 'Pronto, há alguém em pior situação do que eu. Tiraram-me dinheiro do bolso mas deixa-me lá estar caladinho porque quem recebe menos do que eu acha que eu não tenho o direito de me queixar'?
Outra coisa... Ganhar para cima de 1500 euros 'à conta dos palonços'? Ou à conta do trabalho? Todas as pessoas que recebem menos do que esse valor são trabalhadores esmerados, exímios e explorados e todos os que recebem acima vivem uma vida de luxo e de preguiça? Ou será que existem pessoas que são recompensadas pelo seu esforço com ordenados acima do ordenado mínimo? Não acha que há profissões que exigem uma responsabilidade e empenho acrescidos e em que é justo receberem para cima de 1500 euros? Não quero com isto desvalorizar o seu possível cargo, os seus sábados passados a trabalhar ou fazer julgamentos sobre o seu orçamento... Mas para quê descarregar nos outros?! A sua situação muda de alguma forma? Essa história do 'classe média má, pobre bom' já passou um bocadinho de moda.
Por fim... 1500 euros dão direito a 'uma vida de rainha'? Sílvia, vejo que almeja a pouco nesta vida... E que não tem filhos :)

Sílvia disse...

Eu não li o comentário todo, porque quando as perspectivas são diferentes, não vale apena, e neste caso, percebo que não vale mesmo apena.
Mas a parte de se queixar é bnegativo que eu tenha dito isso. Toda a gente tem o direito de se queixar. Não têm o direito de interferir com a vida dos outros e parar o país, para nada, porque isso, mais uma vez e como sempre, não dá em nada. Muitas das pessoas que "fizeram greve" ficaram em casa. Mas brinca-se com os outros que querem trabalhar?
Já para não falar das cenas de violência de quem fez greve, mas adiante.

Eu não almejo pouco, eu até jogo sempre no euromilhões!!!!
Eu apenas giro aquilo que tenho, e se tivesse mais poderia gerir melhor a minha vida, simples. E por acaso até tenho um filho!
Eu gostava que muitos dos que se queixam, por um mês se governassem com aquilo que a maioria dos portugueses recebe. Gostava também de incluir e primeiro do que todos os politicos/deputados!
Eu não quero que as pessoas recebam todas pouco. Por mim até podemos receber todos 10000 euros mês, era espetacular, se o país, as pessoas, produzissem para isso.
O país não produz para isso, logo as pessoas (e neste caso mais os FP) não podem receber mais do que o dinheiro que entra nos cofres do Estado.

Querem queixar-se, queixem-se, desde que não interfiram com os outros.

Sílvia disse...

Quer que lhe dê um exemplo simples? Controladores aéreos a fazer greve... Esse é só um exemplo, mas há mais desse género.

Eles fazem greve porquê?? Por lhes ser cortado do salário, depois de lhes ser dito que "não há dinheiro" e de estar a ser cortado em quem recebe bem menos que eles. Sabe quanto é que eles recebem??

Eu não vi ninguém fazer greve quando subiram salários de forma absurda depois do 25 de Abril, era só fazer contas e ver que ia chegar o dia que o dinheiro não chegava, viu alguém dizer "eh pah, estamos a receber demais, isto um dia dá bancarrota, vamos fazer greve."!!

Se me disser que os politicos deveriam cortar primeiro neles e que as pessoas se queixem disso, até concordo. Mas há outras formas de protesto. E não me venham é com a treta de que devemos todos ganhar 5000 euros, porque não há dinheiro, é simples.

Sílvia disse...

Antes de mais devo referir que o que vou dizer agora não é para ofender ninguém (nem os FP), nem para dizer que as pessoas não se devem queixar. Queixem-se para aí!!

Segundo aviso, eu sou do Porto, logo qualquer salário ou valor de que fale refere-se ao que se passa aqui, onde se recebe menos do que em Lx, e onde o custo de vida também é menor, é certo.

Eu estive a fazer contas... porque isto até me põe a pensar. Há pessoas que vivem fora da realidade do país.
A grande maioria dos casais que conheço recebem menos (ou mesmo ali no limite) de 1.500 euros mês. Os DOIS!! E fazem a sua vida, com filhos, com esse dinheiro. Não tem luxos, é certo. Não fazem férias duas vezes ao ano, alguns até nunca fazem férias. Mas vivem com esse dinheiro sem passar necessidades.

E já nem falo dos casais em que um recebe o salário mínimo e o outro está desempregado!

E atenção que não digo que todos devem receber pouco, volto a dizer, por mim recebiamos todos 10000 euros! Eu não entendo é como dizem que vivem mal com 1500 euros mês, apenas uma pessoa. Se for um casal recebe 3000 mês, tipo, a sério?!!! Parecem o PR que não paga as contas com 10 mil euros!!